GLÚTEN FREE – VALE A PENA ADERIR A NOVA ONDA?

O glúten é uma proteína difícil de digerir e está presente no trigo, no centeio, na cevada e, em menor quantidade, na aveia. Até há pouco tempo, deixar de consumi-lo era obrigatório apenas para celíacos, portadores de uma doença autoimune desencadeada pelo glúten que interfere intensamente na absorção de nutrientes pelo organismo. No entanto, nos últimos anos, não são poucos os médicos e nutricionistas que vêm sugerindo a retirada dessa proteína do cardápio em dietas para a perda de peso. Sabe-se hoje que o organismo não consegue quebrar o glúten. Ok, então ele seria simplesmente eliminado pelas fezes sem causar problemas, certo? “Errado”, observa a nutricionista Gisela Savioli, de São Paulo, autora de Tudo Posso, Mas Nem Tudo Me Convém (Edições Loyola).”Estudos recentíssimos mostram que o glúten favorece a permeabilidade intestinal, deixando que fragmentos não digeridos dessa proteína passem para a corrente sanguínea. Isso desencadeia uma resposta inflamatória, contribuindo para a obesidade e agravando-a, já que o próprio peso em excesso é uma doença inflamatória.
Há muitos paradoxos na questão do glúten. Por um lado, nenhum alimento consumido tal como foi entregue pela natureza contém essa proteína, que se revela no processo de industrialização do trigo e faz o cereal render mais. “É o glúten que faz a massa crescer e ficar fofa”, explica Gisela. Por outro, nunca se consumiu tanto glúten como atualmente. “Nas últimas quatro décadas, o trigo sofreu um aprimoramento genético para se tornar mais produtivo, o que resultou num aumento significativo na quantidade de glúten”, afirmou a nutricionista Denise Carreiro durante o 4º Glúten-Free, evento realizado em São Paulo no mês passado para debater o assunto. Em 2011, cada brasileiro consumiu em média 60 quilos de trigo, 27 deles no pãozinho francês, segundo dados da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária). Em contrapartida, a quantidade de frutas e hortaliças no prato não para de cair, representando hoje, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), menos de 1/3 do que deveria segundo bons padrões nutricionais. “Atualmente, estima-se que cerca de 35% da população mundial tem alguma sensibilidade ao glúten. Alguns pesquisadores falam até em 60%”, afirma Denise Carreiro. Mas, com exceção dos celíacos, ninguém precisa riscar o glúten da dieta para sempre. Controlar a quantidade é suficiente. “Ao trazer de volta essa substância ao cardápio, é importante equilibrar melhor o que se come. Reduzir o glúten não é uma dieta da moda: é a evolução do conhecimento”, enfatiza Denise.

Fonte: Revista Boa Forma

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *