qual-o-melhor-horario-para-praticar-pilates

PILATES NO TRATAMENTO DA SÍNDROME DO PIRIFORME POR STUDIO HEALTH

A síndrome do piriforme é uma condição muito dolorosa causada pela contratura e hipertrofia desse músculo- encontra-se abaixo dos pequenos músculos do glúteo. A inflamação deste músculo comprime o nervo ciático, causando “pontadas” nos glúteos e pernas. A frequência desta inflamação é maior do que se pensa, podendo estar muitas vezes acompanhada da dor ao longo do nervo ciático.

Os movimentos mais dolorosos são rotações, particularmente quando a pessoa está sentada e cruza as pernas. Na maioria dos casos as “pontadas” aparecem quando a pessoa está sentada porque o peso repousa sobre o músculo piriforme. Outra possibilidade de sentir o desconforto é depois de caminhar por alguns minutos. É comum em esportes que envolvem corrida, mudança de direção ou descarga de peso excessiva. Corrida em terrenos duros ou irregulares, subir escadas, atividades que exijam muito agachamento e uso de calçados inapropriados para o tipo de pisada ou gastos demais também podem auxiliar no desenvolvimento da dor.

O Pilates pode agir tanto na prevenção como no tratamento desta síndrome.
A prevenção pode ser realizada através de um programa de exercícios para a região que envolve os músculos do quadril, mobilização desta articulação e das pernas. O tratamento desta síndrome trata-se de uma reabilitação com o objetivo de permitir o retorno ao esporte e as atividades da vida diária de forma segura e efetiva, devendo ter o enfoque em exercícios que promovam força e flexibilidade dos membros inferiores (pernas), respeitando sempre os limites e restrições de cada um.

Caso você tenha se identificado com esta condição, o ideal é procurar um profissional capacitado que possa fazer o acompanhamento correto e com orientações seguras para você ter um breve retorno às suas atividades de vida diária.

Jessica D. F. Tamburus

Studio Health Pilates.RPG.Fisioterapia

Instagram: @studiohealth

Facebook: Studio Health Pilates

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *